Ação popular solicita cancelamento do show de Wesley Safadão no São João de Caruaru

Apresentação está marcada para o dia 25 de junho 

Cachê do cantor cearense é R$ 575 mil em Caruaru e R$ 275 mil Campina Grande.
 Foto: Gil Alves/Divulgação

Uma ação popular distribuída nesta segunda-feira solicita o cancelamento do show de Wesley Safadão no São João de Caruaru, marcado para o dia 25 de junho. O processo, assinado pelos advogados Angelo Dimitre Bezerra da Silva, Ewerton Bezerra da Silva e Marcelo Augusto Rodrigues da Silva, cita o prefeito de Caruaru, José Queiroz, a presidente da Fundação de Cultura de Caruaru, Lúcia Lima, e as empresas Luan Promoções e Eventos, empresária do cantor cearense, e Alx Entretenimento, promotora do São João de Caruaru, de acordo com o documento.

A ação defende que há disparidades entre os valores pagos pelas prefeituras de Caruaru e de Campina Grande, na Paraíba, para a participação de Wesley, Aviões do Forró e Elba Ramalho nos festejos juninos. Para o show de Wesley Safadão, o investimento da cidade pernambucana foi de R$ 575 mil e o da paraibana, R$ 195 mil. Para Aviões do Forró, R$ 250 mil e R$ 195 mil. Para Elba Ramalho, R$ 190 mil e R$ 160 mil. Nesta terça-feira, o Ministério Público Federal em Caruaru instaurou um procedimento para investigar irregularidades nos contratos, baseado nas diferenças de cachês entre as festas.

Em nota enviada ao Viver, a Prefeitura de Campina Grande esclareceu que o valor pago pelo show de Wesley Safadão foi de R$ 295 mil - sendo R$ 195 mil da gestão municipal e R$ 100 mil de patrocínio privado. "Por efetuar os acertos de contratação com praticamente um ano de antecedência, foi possível à Prefeitura de Campina Grande garantir um valor vantajoso em relação ao atual cachê cobrado pelo artista, que tem alcançado um estrondoso sucesso de público e crítica nos últimos meses", argumenta o comunicado. O contrato será assinado nesta semana, segundo a assessoria de imprensa de Campina Grande.

As empresas responsáveis pelos shows de Aviões e Elba não são citadas judicialmente na ação. A ação popular relaciona ainda outros dois shows de Wesley, com trechos do Diário Oficial anexados: em 9 de junho, em Maracanaú (CE), por R$ 200 mil, e em 27 de junho, em Limoeiro, por R$ 450 mil. "Com esse quadro, não pairam dúvidas que as contratações firmadas pela Prefeitura de Caruaru/Fundação de Cultura foram superfaturadas, em flagrante prejuízo ao erário", defende o texto.

Os advogados solicitam ainda a requisição de documentos à prefeitura e às empresas citadas. À gestão municipal, pedem cópias dos contratos e dos processos de inexigibilidade de licitação. À Luan Promoções e Eventos Ltda., todos os contratos firmados com entes públicos durante 2016 e o "contrato de bonificação firmado com a Empresa Alx Entretenimento, estabelecendo a bonificação pela inclusão na grade do São João de Caruaru 2016".

A decisão do juiz deve ser publicada ainda nesta quarta-feira. "É de todo cabível a concessão de liminar, sem a ouvida da parte contrária, para o fim de determinar a suspensão do ato lesivo, qual seja, a apresentação do cantor Wesley Safadão", defende o texto. Os shows de Aviões do Forró e da cantora paraibana Elba Ramalho já foram realizados, nos dias 18 de junho e 4 de junho, respectivamente.



Caderno Viver
Diário de Pernambuco

Atualizações

Traduzir