Greve dos professores da rede municipal do Recife é considerada ilegal pelo TJPE

Tribunal determina o retorno das atividades, sindicato alega não ter sido notificado

A greve dos professores da rede municipal do Recife, que foi deflagrada na última terça-feira (15), foi considerada como ilegal pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) ainda na última terça. De acordo com o TJPE, os professores deveriam retomar suas atividades imediatamente nesta quinta-feira (17) e, caso não obedeçam à determinação, o sindicato da categoria poderá receber uma multa de R$ 100 mil reias por cada dia de greve dos profissionais. Segundo o Sindicato Municipal dos Profissionais de Educação do Recife (Simpere), órgão que representa os professores, a instituição ainda não foi notificada da decisão e a greve permanece.

Com a greve, 4.400 profissionais devem paralisar suas atividades e aproximadamente 90 mil alunos devem ficar sem aulas.

Posição da categoria

Em seu site oficial o Simpere divulgou, no turno da tarde desta quarta-feira (16), que a decisão do TJPE foi baseada no argumento de que a categoria não teria esgotado todos os meios de negociação de reivindicações. Alegação que o órgão de representação dos trabalhadores desmente.

Segundo o Simpere, desde 2013, uma comissão do sindicato vem negociando com a Prefeitura do Recife (PCR) a revisão da Remuneração do Grupo Ocupacional Magistério da Prefeitura da Cidade do Recife (PCCR) e da aplicação da "aula atividade" dos trabalhadores e, no último dia 10 de junho, entregou um documento com solicitações ao Secretário de Administração da PCR, Marconi Múzio.

No entanto, a PCR teria desconsiderado o documento. Fator que teria estimulado o início da greve dos profissionais de educação do Recife.



Fonte: Folha-PE

Atualizações

Traduzir