Metroviários decretam estado de greve, mas decidem não paralisar atividades

O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE), decretou, em assembleia realizada na noite desta quinta-feira (26), entrar em estado de greve. Cerca de cem funcionários se reuniram para protestar contra uma possível estadualização do sistema metroviário, o que, segundo o Sindmetro, além de o governo do estado não ter condições de assumir as despesas de um sistema metroviário de qualidade, a estadualização seria um grande passo para possíveis estabelecimentos de parcerias público-privadas e uma consequente privatização.

Também esteve em pauta uma paralisação de 24h no dia 1º de outubro, mas os funcionários decidiram estender a discussão antes de realizar a interrupção dos serviços. Uma nova assembleia foi então marcada para o mesmo dia 1º de outubro, quando decidirão mais uma vez se protestam através de uma paralisação.

Diogo Morais, presidente do Sindmetro-PE, explica a principal preocupação da categoria no estado. "O sindicato é contra a estadualização ou concessão do sistema devido a estudos realizados pela própria CBTU e pelo Governo do Estado, que mostram que o Estado não teria condições financeiras para assumir a operação do sistema. Existem exemplos de outros estados onde a CBTU foi estadualizada, que os estados tem dificuldade inclusive de efetuar o pagamento dos salários dos empregados, como Salvador e Fortaleza. 

No Rio de Janeiro, onde o sistema da CBTU foi privatizado, e que hoje é a 'Supervia', a qualidade do serviço prestado é péssimo e a tarifa é a mais alta do país. O modelo proposto pelo Governo Federal pode prejudicar além dos funcionários, a população que precisa do Metrô e não tem condições financeiras de pagar uma tarifa maior" declarou.

Fonte: Folha-Pe

Atualizações

Traduzir