Brasil atropela França e ganha moral antes da Copa das Confederações

O Brasil encerrou um jejum de três anos e meio sem vencer uma seleção de peso ao derrotar a França com autoridade por 3 a 0, neste domingo, em partida amistosa disputada neste domingo na Arena Grêmio de Porto Alegre.

Este foi o último teste dos comandados do técnico Luiz Felipe Scolari antes da estreia da Copa das Confederações contra o Japão, no próximo sábado, no estádio Nacional Mané Garrincha de Brasília. Oscar abriu o placar aos 7 minutos do segundo tempo, Hernanes ampliou aos 40, cinco minutos depois de entrar em campo, e Lucas selou o resultado de pênalti nos acréscimos.

Os três gols tiveram um sabor especial para os jogadores que balançaram as redes. Oscar, que se sentia em casa em Porto Alegre por ter jogado no Internacional, chegou a ser vaiado por torcedores do Grêmio quando entrou no gramado, mas foi ovacionado depois de abrir o marcador.

Já Hernanes deu a volta por cima após ficar muito tempo longe da seleção por ter sido expulso justamente contra a França, na derrota de 1 a 0 que o Brasil sofreu em Saint-Denis no último jogo entre as duas equipes. Lucas, que foi campeão francês com o Paris Saint-Germain, também comemorou muito o fato de fazer um gol diante da equipe do país onde vive há seis meses.

O Brasil não vencia uma seleção campeã mundial desde novembro de 2009, quando derrotou a Inglaterra por 1 a 0 em Doha, no Qatar. Os comandados do técnico Luiz Felipe Scolari também acabaram com outra escrita que vinha incomodando o torcedor: a seleção não derrotava a França desde 1992, quando os comandados do então técnico Carlos Alberto Parreira venceram por 2 a 0 no Parque dos Príncipes, com gols marcados por Raí e Luís Henrique.

Com o triunfo por 3 a 0, devolveu o placar da derrota traumatizante sofrida na final da Copa do mundo de 1998 para os 'Bleus' de Zidane. "O Brasil foi muito superior. Tentamos marcar forte no primeiro tempo, mas desabamos aos poucos. É duro perder assim por 3 a 0", declarou o atacante francês Karim Benzema, que era dúvida para a partida por sentir dores no joelho.

A única mudança de Felipão em relação ao empate em 2 a 2 com a Inglaterra do último domingo foi a escalação de Marcelo no lugar de Filipe Luís na lateral esquerda. Já a França jogou com um time bastante defensivo, com três volantes de marcação no meio de campo, Blaise Matuidi, Yohan Cabaye e o jovem Josuha Guilavogui, escalado como titular pela primeira vez pelo técnico Didier Deschamps.

Os franceses levaram um grande susto logo no primeiro minuto de jogo, quando o goleiro Hugo Lloris se atrapalhou ao tentar driblar Neymar numa saída de bola e foi desarmado na entrada da área. O camisa dez da seleção ficou com a sobra, mas foi travado na hora do chute.

Depois de quase levar um gol bobo, os "Bleus" acertaram a marcação e impediram os brasileiros de impor seu jogo. A primeira chance francesa veio aos 14, quando Guilavogui subiu mais alto que todo mundo numa cobrança de falta de Valbuena e cabeceou para fora, à direita do gol de Júlio César.

Os comandados de Felipão começaram a encontrar mais espaços, principalmente do lado direito, aproveitando falhas do lateral Jérémy Mathieu, que joga no Valencia. Aos 30, Oscar fez boa jogada e cruzou com perigo na direção de Neymar, mas o novo atacante do Barcelona não conseguiu finalizar para o gol.

A melhor chance brasileira foi aos 44, desta vez pela esquerda, com um cruzamento de Marcelo que passou por todo mundo e não chegou até Neymar. O atacante tentou alcançar a bola de carrinho, mas chegou atrasado.

O Brasil voltou melhor depois do intervalo e abriu o placar aos 7 do segundo tempo.

Fred, que marcou quatro gols nas quatro partidas que jogou sob o comando de Felipão, trocou o papel de artilheiro pela função de garçom ao rolar a bola para Oscar chutar de primeira, sem chances para Lloris.

Os franceses chegaram a reclamar de uma falta não marcada sofre Valbuena no início do lance, mas o árbitro validou o gol. David Luiz deu um susto aos companheiros aos 14, quando quase fez gol contra ao tentar cortar um cruzamento, mas Júlio César conseguiu fazer a defesa.

Felipão mexeu no time aos 18, ao colocar Lucas no lugar de Hulk, e Fernando no lugar de Oscar. A torcida vaiou, entendendo que o autor do gol merecia ficar mais em campo. Neymar quase ampliou no minuto seguinte ao pegar a sobra de um chute de Fred, mas Lloris salvou a França.

Hernanes entrou no lugar de Luiz Gustavo aos 34 e não demorou para mostrar serviço. Em cinco minutos, marcou o segundo gol do Brasil de canhota, após receber um bom passe de Neymar em contra-ataque puxado por Lucas. Lucas selou o resultado nos acréscimos ao cobrar um pênalti com categoria após Marcelo ser derrubado na área por Debuchy.


Fonte: DP

Atualizações

Traduzir